Menos opiniões e mais dados

Autor: fernando

25 de abril de 2019

Produzir mais e melhor, em menos tempo, parece ser o sonho de qualquer gestor, não é? Agora, imagine se fosse possível fazer isso tudo, com um custo consideravelmente menor do que o usual. Esse tipo de evolução nas entregas e processos de uma empresa são cada vez mais possibilitadas pelo “data driven decision making”, termo que, se traduzido ao pé da letra, significa “tomada de decisão baseada em dados”.

O nome é complicado, mas o conceito é bem simples. Significa usar a maior quantidade de dados possíveis para embasar decisões e estratégias das mais diversas áreas de uma empresa. As opiniões estão perdendo espaço para os dados, quando algum tipo de decisão ou escolha deve ser feita, em ambientes corporativos.

O fato representa uma mudança que não tem mais volta e quem conseguir trazer esse tipo comportamento para o seu ambiente de trabalho, vai se dar bem num futuro bem próximo.

Qual é a origem de todos esses dados?

A primeira fonte de dados para uma empresa é o seu próprio histórico. Seus orçamentos, arquivos, histórico de funcionários, processos, prazos, perfis de clientes, investimentos, logística… Tudo isso, se armazenado corretamente, pode ser posteriormente interpretado e servir de orientação para importantes decisões.

O cruzamento e interpretação de todas essas informações são úteis na hora de entender melhor as necessidades dos clientes, otimizar e economizar recursos, aumentar a produtividade de equipes, fazer escolhas mais assertivas e diminuir o risco de cometer erros que poderiam ser evitados.

Até alguns anos atrás, esses dados eram captados e armazenados manualmente. A evolução tecnológica tornou possível manipular todas essas informações com muito mais facilidade.

Além dos dados internos, pesquisas em relação às preferências e necessidades do público alvo, pesquisas de mercado e avaliações em relação a concorrência também funcionam como orientação para a tomada de decisões.

Executivos deixaram de ser pessoas que simplesmente usam suas experiências para encontrar soluções e passaram a ser também cientistas das suas próprias áreas. O embasamento possibilitado por informações reais também ajuda na defesa de qualquer causa.

Entenda essa lógica

Você, se fosse fazer uma compra importante, como a de um imóvel, preferiria uma informação sólida, que comprovasse a entrega de todos os imóveis projetados pela construtora escolhida ou se contentaria com um discurso bem feito, vindo de um corretor de imóveis?

Então, essa é a mesma lógica da data driven decision making, que pode ser empregada em todas as áreas de uma empresa. Desde a construção de um projeto que leva em consideração o histórico de projetos semelhantes, até a construção de uma identidade em redes sociais, que levará em consideração informações a respeito do comportamento do público alvo. Tudo pode e deve ser baseado em dados.

Quando falamos sobre data driven decision making, é útil conhecermos alguns conceitos importantes para o processo

As bases da análise de dados

Como citamos acima, a tecnologia é parte fundamental no armazenamento e cruzamento de todas essas informações. Por esse motivo, é necessário focarmos em alguns conceitos tecnológicos que são cada vez mais comuns em ambientes corporativos.

Big Data

Esse é o conjunto de informações, normalmente bastante grande, que uma empresa tem para interpretar e que embasam suas decisões.

Machine Learning

É a habilidade que equipamentos eletrônicos, como computadores e smartphones, têm de fazer previsões e criar padrões a partir das informações que recebem.

Inteligência Artificial (IA)

É o desenvolvimento de capacidades, habilidades e comportamentos humanos em computadores e outros equipamentos eletrônicos. Um exemplo são os chatbots que são cada vez mais usados por empresas de diferentes segmentos.

Business Intelligence

Uma das áreas mais promissoras, BI é o segmento responsável pelo cruzamento e análise de dados. Será a área de BI que unirá diferentes informações para encontrar soluções e embasar importantes decisões.

Juntas, essas tecnologias tornam possível o armazenamento e análise de grandes bases de dados, que servirão como embasamento para decisões de diferentes tipos.

É preciso começar!

Se você ou a empresa onde trabalha ainda não baseia suas decisões em dados confiáveis, saiba que o início passa longe de ser algo complicado ou muito caro. Separamos aqui uma listinha de pequenos hábitos que podem te ajudar na hora de fazer escolhas:

Não perca tempo e comece a usar a análise de dados a seu favor!

compartilhe:

Últimos Artigos

processo seletivo do Grupo Boticário

Processo seletivo do Grupo Boticário – como funciona

O processo seletivo de colaboradores para uma grande empresa, como o Grupo Boticário, significa muito mais do que filtrar currículos. É durante esse processo que as características fundamentais para que um profissional faça parte do time que garante o crescimento constante da empresa, mesmo quando a economia do país não representa um grande incentivo. Quais […]

CONTINUE LENDO
carreira no varejo

Carreira no Varejo – Principais Desafios e Oportunidades

Uma ocupação para quem ficou desempregado e está em busca de algo mais promissor, uma forma de ganhar dinheiro enquanto um curso superior ou o ensino médio são concluídos, ou simplesmente a oportunidade que apareceu em um momento de pouco foco. Todas essas são formas bastante comuns de pensar, quando o assunto é: uma carreira […]

CONTINUE LENDO
gestão feminina

Gestão Feminina – Como liderar apoiando outras mulheres?

Quando falamos sobre gestão feminina, é comum que as dificuldades até hoje enfrentadas por mulheres para alcançar posições de gestão sejam lembradas, porém, há algum tempo essa realidade está se transformando. Além do número crescente de empresas que apresentam lideranças femininas em seu quadro de colaboradores, a influência que essas profissionais exercem sobre mulheres que […]

CONTINUE LENDO